Triple Helix Part 2: A World of Forests

“Janaína prefers to be in the laboratory, but me, I like to be outside. I can’t stand being stuck in the laboratory all day; I’d rather be in the field.” Marcelo was mentioning all of this to me while we walked to our bus stop. He had to take bus 464 in front of the only Banco do Brasil on Jardim Botânico Road. I had to take bus 573. It was the bus that would take me to Lapa, where I’d walk up the famous Stairs of Selarón that practically ended at my front door. I had only been in Rio for four months, and I couldn’t stop thinking about the forest, my forest. As we continued walking, Marcelo told me about some of the rituals he had witnessed that took place in the middle of the forest (he still hadn’t participated in any because he was still considered a “child of candomblé” and wasn’t, what Christians would refer to as,“baptized” in the faith yet). He spoke about how his spiritual family, which consisted of a father (babaoluwe) and children of various levels of spiritual maturity, would travel hours into the interior of the state of Rio de Janeiro in order to isolate themselves in an attempt to feel closer to the Orishas and their physical manifestations. He told me that Orishas existed in streams, in the earth, and even in the leaves of trees. Only in the forest was his family able to reconnect with the forces of the Orishas; forces that influenced every part of daily life.

“And people like me, people who do not believe in the Orishas, how are we supposed to live?”

Marcelo heard my question, and dove into a reply without missing a beat, “The Orishas dominate the imperceptible forces of the world regardless of if we believe in them or not. It’s just that once we accept their existence, it is easier to understand our own lives and our place in the cosmos.”

Despite my skepticism, I asked my next question silently, “What if an Orisha is controlling my life without my knowledge?”

Marcelo stopped speaking, and our strides matched each other as we neared the bus stop. Lines of restless passengers had already formed for our respective buses, so we decided to end our conversation with a kiss on each cheek.

My commute sped by, and as I lifted my foot off the last tile of the Stairs of Selarón, I thought about how quickly Marcelo and I had gone from complete strangers to friends. I was still lost in thought as I turned around and saw Lapa sprawled beneath me. At that height, I was surrounded by concrete, cars, skyscrapers, and the aroma of marijuana mixed with Cachaça 51. I wasn’t able to see the Atlantic Forest. I felt the forest’s embrace loosening, a similar feeling of alienation that I imagined Marcelo and his family felt, and I realized that I was truly grateful for the honest attempt of the Botanical Gardens in maintaining a piece of the forest’s splendor.

You didn’t need to be a scientist to recognize the loss of woodland space in the city. For me, Rio was the “marvellous city” because of an element that its citizens were actively destroying. Rio was marvellous because of its trees. The Atlantic rainforest was the first landscape that European colonists fell in love with as they arrived on the coast of the “new world.” Almost 70% of Brazil’s entire population lived on the few hectares of space that composed the Atlantic rainforest. The stress of development took its toll on the forest, diminishing the forest to only 12% of its original area. The land that prompted innumerable works of admiration and praise was disappearing at an alarming rate. The very creation of the National Forest of Tijuca (the section of rainforest that surrounds Rio de Janeiro) was a reaction to this disappearance. Impressively, the restoration project started in 1861 in order to curtail the rapid deforestation of privately owned land. However, despite these national efforts, in 1993, UNESCO designated the Atlantic rainforest a World Biosphere Reserve that was dangerously on the verge of going extinct. There is still an ongoing fight to protect the forest’s genetic diversity because of its rich number of endemic species: many of the flora and fauna found in the Atlantic rainforest are not found anywhere else in the world. In fact, the forest extends nearly along the entire coast of Brazil, oscillates from 50 to 3,000 meters above sea level, and crosses 15 states; I was proud to say that I shared in the conservation efforts to save such diversity.

Day after day I would take samples of plants, clean them, and cut them in preparation for DNA extraction via PCR (polymerase chain reaction). The data I received would then be entered into the DNA bank of the Botanical Gardens. When I initially started my assignment, I only knew the rudimentary basics of DNA extraction that I learned from university. This made me feel overwhelmed and extremely incompetent for the task I was given, especially since I was placed on par with doctoral students who had been studying genetics for a decade. I would give into my frustrations when in the process of purifying the DNA, I would accidentally degrade a piece and have to start all over again. I had never imagined that a day would come when I would cry over proteins, but after hours in the laboratory, I found myself sniffing tears away. It was during those moments when my usually quiet and solitary partners showed their support. They would take their time to show me new methods, meticulously detailing their actions in order to help me in both my scientific ability and in my Portuguese. It was during those moments when I finally felt the power of the ‘scientific community’. The socratic method served its purpose in verifying our experimentation and certifying our results, for it was crucial that we did so: an entire ecosystem’s survival was based on our findings. What we managed to enter into the database would ensure that even if a specific plant were to go extinct, it could be replaced with another specimen that would flourish in the original habitat. Additionally, it could be possible that future geneticists would be able to resurrect the extinct genes of lost plants. As inexperienced as I was, I was still proud to be helping the Botanical Gardens of Rio de Janeiro to accomplish its goal. I learned to enjoy wearing my white lab coat and my blue gloves. I learned to love the difference I was making, even if it was microscopic.

-Felicidali

****************

“A Janaína gosta mais da parte do laboratório, só que eu gosto de ficar ao ar livre. Não aguento ficar no laboratório o dia todo, prefiro estar no campo.” Isso foi o que o Marcelo me disse, enquanto andávamos juntos até o ônibus. Ele tinha que pegar o 464, na frente do Banco do Brasil, que fica na Rua Jardim Botânico, o 573 era o meu. Era o ônibus que me deixaria na Lapa, daí tive que subir as escadarias famosas do Selarón para chegar em casa. Durante todo esse tempo, não pude parar de pensar sobre a Mata Atlântica, já transformada, a minha mata. O Marcelo me  contou sobre os rituais que ele tinha assistido (ele ainda não havia participado porque era considerado ainda “uma criança” no candomblé e não era, o que diríamos nos termos cristãos, “batizado”) no meio da mata. Ele falou como “a família” dele, que consistia do “pai” (babaoluwe) e as crianças de vários níveis de maturidade espiritual, viajaria horas no interior do estado, tentando chegar o mais próximo dos orixás e das manifestações físicas deles. Existia um orixá que se manifestava na água, outro na terra, até outro nas folhas das árvores. Na mata, ele e a “família” dele podiam sentir e religar as forças que acreditavam que dominam a vida diária. “E as pessoas que não acreditam nos orixás, como eu, como devem viver?” perguntei previamente, a tarde. “Os orixás dominam forças imperceptíveis, se acreditarmos neles ou não, só que, pela aceitação da existência deles, podemos entender melhor a vida e a nossa relação com o mundo”,ele me respondeu. “Será que um orixá estava dominando a totalidade da minha vida sem a minha percepção?” foi a única coisa que consegui pensar quando saí do laboratório, o Marcelo andando ao meu lado direito. Despedi-me do Marcelo e, logo quando subi a última escada de Selarón, me virei para ver a Lapa que ficou lá embaixo. Naquela altura, cercada pelo concreto, carros, prédios, e o cheiro de maconha e cachaça 51, não consegui mais ver a Mata Atlântica que abraçava o Rio,além disso, o abraço está cada vez mais frouxo. O Jardim Botânico fez uma tentativa sincera de manter o esplendor do abraço da Mata Atlântica e por causa disso ficava agradecida. Você não precisa ser uma cientista para se dar conta da perda dos espaços florestais na cidade. Considerei o Rio uma cidade extremamente linda por causa de uma coisa que a própria cidade estava conscientemente destruindo. A Mata Atlântica era a primeira paisagem que fazia as vanguardas européias se apaixonarem, quando chegavam ao litoral. Quase 70% da população do Brasil (quase 200 milhões de pessoas) moram em poucos milhões de hectares da Mata Atlântica. Apenas 12% do original de Mata Atlântica ainda existe apesar de um aumento dos esforços de conservação. A terra que o Gonçalves Dias dizia que “… tem palmeiras, onde canta o sabiá” onde “Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores.” está diminuindo a uma taxa alarmante. Na verdade, a Floresta Nacional da Tijuca, a seção da Mata Atlântica que cercou o Rio foi criada através de esforços que foram lançados no século 19. Impressionantemente, o projeto de restauração da Floresta Nacional da Tijuca começou em 1861, “enquanto o “Ato Florestal Brasileiro”, elaborado em 1934, foi fundamental na redução do desmatamento e para envolver os proprietários de terras privadas em atividades de restauração florestal.” Apesar destes esforços, no entanto, em 1993 a UNESCO designou a Mata Atlântica como um World Biosphere Reserve por causa de seu status ameaçado de extinção. O esforço para proteger a beleza natural e genética da floresta é uma guerra bem travada. A Mata Atlântica é notavelmente rica em espécies endêmicas: significa que algumas espécies da flora e fauna encontradas na floresta não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo. Ela se estende na maior parte da costa brasileira, cruzando 15 estados e multidões de latitudes que incluem florestas tropicais úmidas com componentes marinhos, bem como sistemas de terras altas, oscilando de 50 a 3.000 metros acima do mar. Compartilhei do esforço de conservação por passar dias que durariam até as últimas horas da tarde no laboratório. Dia após dia eu pegava amostras de plantas, as limpava, cortava e preparava para o processo de extração de DNA, análise através de PCR (polymerase chain reaction) e a entrada dos dados no banco denso de DNA do Jardim Botânico. Não percebi isso na época, mas essencialmente concluí um curso de genômica. Não era muito familiarizada com os bancos de DNA antes do meu tempo no Jardim Botânico, e as extrações que fiz na faculdade foram feitas para nos ensinar os princípios rudimentares. Portanto, embora me sentisse inicialmente sobrecarregada  por estar entre doutorandos que fizeram genômica como carreira, o exemplo deles me ajudou afinar a minha atenção aos detalhes e até me deu um empurrão a experimentar com os meus próprios métodos de extração. O meu objetivo era purificar o DNA de material celular, sem degradação, mas houve momentos em que tive que modificar meu método de extração; talvez dependendo se a planta fosse fibrosa ou não. Daí, tive que quantificar o DNA das amostras por um longo período de tempo para que pudesse entender os padrões de deslocamento entre um alelo específico da amostra e as outras intimamente relacionadas. Foi um trabalho tedioso e digno ao mesmo tempo. Lembro-me especificamente dos momentos, após horas gastas no laboratório, quando os métodos não davam resultados devido a danos ao DNA. Eu nunca teria imaginado estar chateada com uma massa de proteína antes desta experiência, mas, embaraçosamente, confesso que chorei uma ou duas vezes sobre amostras perdidas. O esforço que coloquei para ter certeza do meu método, bem como do objetivo do meu trabalho, que tinha poderes transformadores na minha identidade profissional: por fim eu me senti como parte da comunidade científica. Aprendi, também, a maneira integral na qual a pesquisa ajudou a conservação, ou seja, com as mudanças intermitentes que afetam o meio ambiente. É importante certificar-se de que a vasta flora que temos no mundo não é completamente erradicada, e se, infelizmente, uma espécie de planta se tornar extinta, a informação está disponível para substituir a planta perdida  por outra que vai prosperar no mesmo hábitat. O armazenamento de DNA também fornece aos cientistas as histórias da família das plantas. Uma vez que a linhagem da planta é entendida, diferentes variedades genéticas da planta poderiam ser criadas, talvez variedades que são mais equipadas para sobreviver sob circunstâncias continuamente mais difíceis. Tão inexperiente como  era, eu ainda estava feliz por estar ajudando a cumprir o objetivo do Jardim Botânico. Gostava de entrar no laboratório, com as minhas luvas azuis, fazendo uma pequena diferença, mesmo de uma maneira microscópica.

-Felicidali

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s